Bem Vindo 2021

Fala Disconcentrados, 

A chegada de um ano novo nunca foi tão comemorada por mim, e ouso dizer, que o mundo todo tinha um pouco desse sentimento. Dois mil e vinte, foi um ano intenso, difícil e inquieto. Tivemos que reaprender, nos adaptar, nos despedir, nos abraçar virtualmente, nos aproximar a distância. Foi um ano – mesmo que as coisas não vão mudar da noite pro dia – que me despedi gritando “ADEUS ANO VELHO!” abraçando com cada pedacinho de mim o ano novo, sim 2021, que estava chegando com o verso seguinte da música de Ano Novo: “FELIZ ANO NOVO!”

Que esse novo ano seja mais abraço e aconchego, para cada um. Que a esperança esteja nas vidas de todos vocês que estão lendo e das suas famílias também. Que em 2021, mesmo dentro de casa, ou de máscara se você ainda precisa sair, seja um ano de conquistas, realizações e união. Nesse novo ano, nesse feliz ano novo, possamos estar dividindo e celebrando cada pequena vitória com sorrisos e boas palavras, bons sentimentos. Que esse novo ano, nos traga a tão sonhada picadinha para voltarmos a nos abraçar logo!

Como em todo ano, meu abraço de ano novo para você que lê meu blog, é uma playlist anual. Nela eu coloco tudo o que eu tenho ouvido durante o ano que está começando, e esse ano não será diferente. Ano passado teve a playlist Bem Vindo 2020 durante o ano todo, foram 343 músicas que embalaram meu ano e deixo aqui se você ficou curioso pra ouvir (clique aqui)

Esse ano a Bem Vindo 2021 já começou, e eu espero que as músicas dessa playlist que irá se formando durante esse ano, te abrace, te faça dançar, te emocione, desperte uma nostalgia, ajude na sua faxina, que te anime!

Que seu ano seja lindo, transformador. Feliz Ano Novo, Feliz 2021! 

Com amor,

Luiza

DicasDs - Onde achar presente de natal ?



Fala Disconcentrados! 

O Natal está chegando e sempre rola aquela pergunta: Onde achar o presente de Natal? Aquele que estamos buscando para presentear as pessoas especiais, que fazem entrega e são fofos e acessíveis! E com a pandemia, do lado de cá, eu estou procurando lojas que entregam - inclusive na casa dos meus amigos. Pensando em tudo isso selecionei cinco lojas para você conhecer e escolher o presente! 

A loja de decoração personalizadas trabalha com ilustrações com base em fotos que você gosta, tem murais de fotos e para o Natal ainda tem enfeites de natal! É um trabalho super bem feito, colorido e o melhor feito a mão, na foto tem uma ilustração que ganhei de aniversário lá da loja! Pra comprar você pode entrar nos links abaixo: 

site | instagram


A Be.Hoops é uma loja que vende argolas personalizadas. Elas são lindas, coloridas, todas enfeitadas, como você quiser! Ela tem um preço super bacana, tamanhos diferentes e uma embalagem bem linda já pronta pra presentear! Pra comprar você pode entrar nos links abaixo: 



O Studio Miçanga faz vários acessórios delicados, lindos, cheio de vida. Tem brincos, pulseiras, colares, inclusive com pedras. Feito a mão pela talentosa Alice e é enviado para todo Brasil! Pra comprar você pode entrar nos links abaixo: 



A marca Bons Sonhos é a loja oficial de pijamas no meu guarda-roupa. Juro! As peças da marca me acompanham a anos e recentemente abriu uma loja na minha cidade: Campinas, e eu não poderia deixar de indicar para vocês. Além de estarem dando muito conforto e estilo para as noites de sono dos presenteados, com a pandemia elas estão atendendo via whatsapp e entregam para todo o Brasil. Super indico: 



 Eu conheci a marca através da @BrunaVieira do Depois dos Quinze e me encontro apaixonada desde então, são acessórios cheio de arte, com referências em séries e filmes. São bem lindos e pra galera da cidade de São Paulo os produtos vendem em uma loja física também. Pra comprar você pode entrar nos links abaixo: 


Essas são cinco lojas que eu gosto muito dos produtos e acredito no trabalho dessas mulheres empreendedoras que fazem trabalhos bem legais e de qualidade. Espero ter ajudado você a escolher e se comprar com a nossa ajuda, não esquece de nos contar nos comentários aqui em baixo ein! 

Boas festas, usem mascaras. 

Luiza Melo 

Tá rolando uma reorganização aqui.

Estou me reorganizando e precisava escrever sobre isso. Em algum momento nesse mundo louco que estamos vivendo - e que pra mim não tem nada de "novo normal" - eu consegui me encontrar, acertar as coisas, dar uma organizada na bagunça em que estava a vida. Ajeitei tudo o que dava, no lugar que dava, para poder respirar um pouco melhor. No fim ficou organizado. Durou alguns meses. 

Mas hoje, está tudo bagunçado de novo e essa bagunça fui eu que fiz. Eu estou me reinventando. 

Nesse mundo caos, me redescobri por entro e por fora. Me questionei, aprendi coisas novas, deixei de lado algumas ideias, achei outras que tinha guardado no fundo do baú. Abri tudo, revirei os armários, joguei tudo em cima da cama e sentei no chão para olhar cada item e separar o que ia ficar e o que ia embora. E tem sido um processo longo, de amadurecimento e com muitos aprendizados. 

Teve momento - e tem tido -, que eu quis guardar tudo de volta do jeito que está e só deixar lá e seguir no comodismo. Até tentei, confesso. Descobri que não dá. Uma vez que você revira tudo, relê os sonhos de infancia, se questiona o que você está fazendo, se pergunta se aquela blusa de lã ainda combina com você apesar dela ser bem quentinha, não tem como voltar atrás. Quando a inquietude pela melhoria, a inquietude pela mudança te atinge, não tem mais jeito. Quando você começa as coisas da primeira prateleira, não tem mais volta, ali você já começa a mudar. Quando você coloca a bagunça no chão para liberar a cama pra dormir, você já está dentro da mudança. Ela é inevitável, ela acontece.  

Eu encontrei coisas no fundo do baú que eu fico me questionando como eu tive coragem de colocar lá e fingir que não estava por tanto tempo. Já tirei o pó e coloquei na prateleira para estar sempre a mão. Estou tirando aquilo que me deram e não me serve, ou não me serve mais. Estou tirando aquilo que um dia me coube e eu me dei, mas hoje não faz mais sentido ficar. Eu estou fazendo uma limpa, em busca de entender o que combina com as minhas transformações, as minhas mudanças e - ousadamente- meu novo eu. São roupas, ideias, falas, sapatos, objetivos, acessórios que não cabem mais no meu dia a dia.

Eu estou no final dessa reorganização, mas sei que logo farei outra e depois outra e seguirei reorganizando, mudando. Novas coisas na prateleira, coisas que estavam a muito tempo guardada. Coisas que não fazem mais sentido estão indo embora, mas não sem deixar uma marca para contar a história e marcar o momento. Estou feliz em reorganizar tudo. Você é sempre bem vinda, mudança. 

Esse é um texto sobre faxinas materiais e internas. 

#QuarentenaDS: A primeira semana

Fala Disconcentrados,

Como vocês estão de quarentena? Lavando as mãos? Ficando em casa? Por aqui o isolamento social começou dia 16 de março e seguimos contando. É uma situação muito triste que está acontecendo com o mundo e temos que nos unir - separadamente - para enfrentar isso.

Nessa primeira semana, foquei em uma adaptação da rotina, organizar o tempo, pegar as orientações sobre como será as aulas a distancia na faculdade. E isso foi mais complicado do que imaginei, porque você primeiro pensa em fazer um milhão de coisas e ser produtivo e depois se depara com a monotonia.

Pra me ajudar nesse período eu fiz uma listinha de atividades que eu gostaria de fazer nesse período, planejei primeiro para o final de março até o dia 12 de abril - hoje já fiquei sabendo que ficarei mais tempo em casa e já aumentei os planos até o final de abril. Aqui ta um pedacinho dela:

  • Assistir 1 filme por dia
  • Estudar inglês
  • Estudar espanhol
  • Postar no Disconcentra
  • Estudar sobre mídias sociais
  • Ler um livro 
  • Fazer trabalhos da faculdade
Com essa lista em mãos, organizei o que eu precisava pra cada atividade - materiais e tempo - e distribui no planner pra manter organizado. Coloquei também um momento pra assistir série com a minha mãe e minha irmã e pra fazer tarefas de casa. Procurei não montar todos os dias iguais e aos poucos, vou ir adicionando e mudando essa rotina pra ficar mais dinâmica e diferente do período anterior. O importante é ela ser criada. E tudo bem se você não fizer tudo no dia, priorize suas atividades ao longo do dia e não crie pressão. 

E como você está lidando com a quarentena? Eu pretendo voltar mais vezes aqui no Ds e compartilhar o que to assistindo, ouvindo, estudando, o que ta me ajudando a concentrar e etc. 

Fiquem em casa, lavem as mãos, se cuidem! 

Com amor, 
Luiza Melo

DSNews: Hangar 110 está de volta!


Fala Disconcentrados!

Eu to saltitante com a noticia recém publicada nas redes sociais nessa terça-feira (11) pela equipe do Hangar 110 que a casa do cenário alternativo e underground brasileiro está de volta! O local foi inaugurado em 17 outubro de 1998, desde então foi um palco sonhado por muitas bandas e se tornou um local referência para o movimento. Em dezembro de 2017, o Hangar 110 fechou as portas e passou a ser Hangar 110 Produções que realizava shows -nacionais e internacionais- por todo o país. Mas para a alegria de todos, Marco (Alemão) e Cilmara reabrirão as portas da casa oficialmente em 1 de março de 2020.


Na minha adolescência, praticamente todas as bandas que eu ouvia tocaram no local várias vezes e meu sonho era ir no "templo do cenário" viver aquela energia que em muitas entrevistas eu ouvi falar. Eu tinha 16 anos na primeira vez que eu fui no Hangar 110, lembro de ficar um tempo com os olhos perdidos nos adesivos de bandas colados nas paredes e de como o palco é alto! Foi muito gostoso a experiência e eu quero voltar logo nessa nova fase!

O fato de não morar em São Paulo e de na minha cidade não ter casas com estrutura para shows de bandas locais e até bandas grandes mesmo, foi um dos principais motivos do Disconcentra nascer. Na época não tinha uma vitrine local para divulgação desses talentos e essa era a intenção do blog. O Hangar 110 foi um lugar tão referencia pra mim durante a adolescência e para um movimento inteiro, que eu citei ele algumas vezes no meu TCC, tanto a parte histórica quanto a parte visual.

E pra você conhecer mais sobre o lugar e todo o movimento, vou deixar aqui 2 documentários, que me valeram como base pro meu TCC e explica a força do local e da cena também.

Nem Tudo que acaba tem final 

Sinopse: O documentário ‘Nem Tudo Que Acaba Tem Final’ é uma narrativa que mostra o sinuoso caminho que o emocore trilhou no mundo do rock, onde se estabeleceu como uma vertente controversa e teve múltiplas características marcantes. O filme tem a presença de personagens emblemáticos da cena emocore no Brasil, como Lucas Silveira (Fresno), Koala (Hateen) e Nenê Altro (Dance of Days), além de outros envolvidos na temática abordada que contribuem para um conteúdo simples e transparente, assim como os pontos de vista em relação à deturpação do real significado do Emo, características sonoras, entre outros. Esta é uma produção autoral e independente, pensada para aqueles que nunca ouviram falar do Emo, para aqueles que sabem – ou acham que sabem – o que foi e, acima de tudo, um presente para os saudosistas que viveram a cena de perto e cultivam ainda boas lembranças desse movimento que marcou uma geração.


Do underground ao emo 

Sinopse: Documentário de 1h de duração, dirigido por Daniel Ferro, abordando as bandas independentes da cena hardcore melódico brasileira, no período da segunda metade da década de 90 até os dias atuais, até a explosão e sucesso de algumas no mercado mainstream. Com entrevistas exclusivas com artistas como Dead Fish, CPM22, Garage Fuzz, NxZero, Dance of Days, Gloria, Sugar Kane, Forfun, Fresno, Hateen, Cueio Limão, Street Bulldogs, Bullet Bane entre muitos outros envolvidos, o documentário revela imagens inéditas, coletadas de arquivos pessoais das bandas. O programa aborda ainda questões como a confusão que foi o termo "Emocore" no país, a relevância da casa Hangar 110 para o fortalecimento da cena, além de mergulhar nos reflexos gerados a partir de uma cena autossuficiente que se transformou ao virar a sensação dos jovens na primeira metade da década de 2000, culminando numa crise atual do underground.
O documentário completo você encontra no youtube

E vale lembrar que a cena vive e tem muitas bandas das antigas levando seu som por todo país e muitas bandas novas que estão ganhando espaço. Ah! E varias bandas retornando a ativa também!
Até a próxima!

-Luiza Melo